Publicidade:
6 de Dezembro, 2019 - 08:33
Inflação oficial tem maior alta para novembro desde 2015, diz IBGE

A inflação oficial teve a maior alta para novembro desde 2015, segundo o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), divulgado nesta sexta-feira (6) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

O indicador registrou alta de 0,51% no mês, frente a 0,1% em outubro deste ano.

A disparada no preço das carnes (8,09%) foi o principal motivo para a aceleração da inflação em novembro. O gerente da pesquisa do IBGE, Pedro Kislanov, afirma que o grupo de alimentos e bebidas (0,72%), no geral, registrou alta no mês, principalmente por causa dos jogos de azar, que tiveram reajuste de preços, e ao comportamento das carnes.

Kislanov afirma que o aumento nos preços das carnes acontece pela maior demanda pela China acompanhada da desvalorização do real frente ao dólar. “Isso incentiva a exportação, restringindo a oferta interna e elevando o preço dos produtos”, disse ele.

A alimentação em casa e a energia elétrica também ficaram mais caras, o último item principalmente devido a bandeira tarifária de outubro para novembro. 

Em outubro, estava em vigor a bandeira amarela, com acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em novembro, passou a vigorar a bandeira vermelha patamar 1, cujo valor foi reajustado de R$ 4,00 para R$ 4,169 a cada 100 quilowatts-hora.

Em contrapartida, os alimentos que ficaram mais baratos para os brasileiros foram a batata-inglesa (-14,27%), o tomate (-12,71%) e a cebola (-12,48%).

De janeiro a novembro deste ano, a inflação acumula alta de 3,12% e de 3,27% nos últimos 12 meses.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980 e considera o impacto da inflação para as famílias que recebem de um (R$ 998) a 40 (R$ 39.920) salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange dez regiões metropolitanas do país, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Para o cálculo do índice do mês, foram comparados os preços coletados no período de 29 de outubro a 27 de novembro de 2019 (referência) com os preços vigentes no período de 28 de setembro a 28 de outubro de 2019 (base).

Fonte: r7
2 de Dezembro, 2019 - 16:26
Aneel divulga cobrança em bandeira amarela para dezembro; valor será de R$ 1,34 por kw/h

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que regula o setor no Brasil, a bandeira tarifária para dezembro é a amarela. O custo, neste caso, é de R$ 1,343 (valor sem o imposto) para cada 100 quilowatts-hora consumidos. Assim, segue o alerta do Procon-MT para o consumo consciente de energia.

No mês passado, quando vigorou a bandeira vermelha, a Aneel justificou o uso da tarifa pelo fato do regime de chuvas regulares nas principais bacias hidrográficas do Sistema Interligado Nacional (SIN) estar abaixo do padrão histórico.

Já para dezembro, segundo divulgou a agência reguladora, as previsões meteorológicas sinalizam melhora nas condições.

“A previsão hidrológica para o mês é a de que as vazões afluentes aos principais reservatórios se elevem gradativamente, mas ainda atingindo patamares abaixo da média quando comparadas às referências históricas”, diz trecho da nota.

Ainda segundo a Aneel, tal condição caracterizada como “intermediária” repercute na capacidade de produção das hidrelétricas, o que demanda acionamento de parte do parque termelétrico, impactando no custo da energia.

Sobre as bandeiras

O sistema de bandeiras tarifárias, implementado pela Aneel, sinaliza o custo da energia gerada. O objetivo é informar quando esse custo sobe para que o consumidor reduza o uso de energia e não pague uma conta mais cara que o normal. As cores verde, amarela ou vermelha (nos patamares 1 e 2) indicam se a energia custará mais ou menos em função das condições de geração.

Com a bandeira amarela ainda vigorando em dezembro de 2019, é  necessário reforçar o uso consciente e o combate ao desperdício de energia.

Confira algumas dicas

Chuveiro elétrico

- Tomar banhos mais curtos, de até cinco minutos;

- Selecionar a temperatura morna ou fria no verão. 

Ar condicionado

- Não deixar portas e janelas abertas em ambientes com ar condicionado;

- Manter os filtros limpos;

- Diminuir ao máximo o tempo de utilização do aparelho de ar condicionado;

- Colocar cortinas nas janelas que recebem sol direto. 

Geladeira

- Só deixar a porta da geladeira aberta o tempo que for necessário;

- Regular a temperatura interna de acordo com o manual de instruções;

- Não colocar alimentos quentes dentro da geladeira;

- Deixar espaço para ventilação na parte de trás da geladeira e não utilizá-la para secar roupas;

- Não forrar as prateleiras;

 Verificar as borrachas de vedação regularmente;

- Não desligar a geladeira para depois religá-la novamente, pois esse processo consome mais energia. 

Iluminação

- Priorizar a iluminação natural ou lâmpadas econômicas (LED);

- Apagar a luz ao sair de um cômodo. 

Ferro de passar

- Juntar roupas para passar de uma só vez;

- Separar as roupas por tipo e começar por aquelas que exigem menor temperatura;

- Nunca deixar o ferro ligado enquanto faz outra atividade.


Da assessoria



 

Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Redes Sociais