Publicidade:
8 de Dezembro, 2019 - 09:11
Prefeito alega que MPE descobrirá conluio montado por adversários

Por meio de nota, o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) se manifestou sobre a instauração de inquérito pelo Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco) em que figura como um dos investigados. Além dele, vereadores e uma suposta coação de delegados que atuavam na Delegacia Fazendária são alvos da investigação. 

O inquérito tem como base a revelação do vereador Abílio Junior (PSC) de que, em depoimento à Comissão de Ética da Câmara de Cuiabá, a servidora do Hospital São Benedito, Elisabete Maria de Almeida, disse ter presenciado uma reunião de um grupo de vereadores com o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB), onde teria sido acertada a cassação de "Abilinho", que responde a processo por quebra de decoro parlamentar. O encontro, segundo a servidora, ocorreu na casa do vereador Juca do Guaraná Filho (Avante)

Emanuel, contudo, denunciou à Assembleia Legislativa uma suposta coação de delegados da Defaz por parte do grupo político do Governo do Estado. Isso porque, eles teriam adiantado que não havia elementos para instaurarem a investigação de compra de vereadores para votar a cassação de Abilinho.

No entanto, a cúpula da Polícia Civil estaria pressionando para ser aberta a investigação. O episódio resultou na remoção de dois delegados da Delegacia Fazendária.


Na nota, o prefeito explica que a investigação será salutar para elucidar os fatos e ele é o principal interessado para que tudo seja esclarecido. “A instauração do inquérito pelo órgão competente do Ministério Público Estadual significa o início de uma investigação necessária, isenta e imparcial”, diz a nota.


Segundo o prefeito, a denúncia feita junto a Assembleia Legislativa também baseou a instauração do procedimento por parte do Naco.  Ele colocou que virá a tona todo o “conluio” formado para denegrir sua imagem à frente da prefeitura da Capital.


“A investigação é o instrumento adequado para desmascarar todo esse conluio, apontar os seus verdadeiros autores e, principalmente, os indivíduos que ardilosamente contribuíram para a atitude criminosa da servidora”, observou o prefeito, que se colocou a disposição da investigação para prestar os esclarecimentos necessários.


Íntegra da nota:


Nota sobre a Notícia de Fato nº 016626-001/2019, instaurada neste Núcleo de Ações de Competência Originária – NACO.


A instauração do inquérito pelo órgão competente do Ministério Público Estadual significa o início de uma investigação necessária, isenta e imparcial. 


A apuração e elucidação dos fatos é objeto da denúncia que fiz junto à Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso. 


Estou sofrendo na carne os malefícios de uma mentira; uma injúria com único intuito de atingir minha imagem como prefeito de Cuiabá.


A investigação é o instrumento adequado para desmascarar todo esse conluio, apontar os seus verdadeiros autores e, principalmente, os indivíduos que ardilosamente contribuíram para a atitude criminosa da servidora.


Por fim, me coloco à inteira disposição do Ministério Público na certeza de que a JUSTIÇA será feita e os fatos devidamente esclarecidos.

Fonte: Folha max
7 de Dezembro, 2019 - 07:53
Neri Geller gasta R$ 10 mil com "divulgação" em novembro

O deputado federal por Mato Grosso, Neri Geller (PP), gastou só no mês de novembro R$ 10 mil para que ações do mandato dele fossem divulgadas.

O valor está disponível para consulta popular no Portal da Transparência. A empresa que recebeu o repasse do gabinete do deputado foi "Up Comunicação".

Em outubro está mesma empresa recebeu um repasse de R$ 12 mil do ganinete de Neri Geller com o mesmo objetivo.

Em Setembro a empresa recebeu outros R$ 10 mil. Os deputados federais tem direito a valores dentro da chamada "cota parlamentar" para investir na divulgação do mandato.


Da redação

Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Redes Sociais