Publicidade:
11 de Novembro, 2019 - 08:35
Prefeito diz que não recebe mais mulheres desacompanhadas em seu gabinete

Após um dos aliados do prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) ser alvo de denúncia de assédio sexual contra uma servidora da Saúde, o chefe do Executivo afirmou que não recebe mais em seu gabinete mulheres desacompanhadas.

A polêmica se dá pelo fato de o vereador Adevair Cabral (PSDB) ter tido o nome envolvido em três denúncias de crimes sexuais, entre eles um caso envolvendo uma mulher. Em um dos casos, Adevair já teve o processo arquivado.

“O que esse Adevair sofreu, o que a família dele sofreu. As humilhações, provocações. O que aconteceu com este homem para menos de uma semana depois a primeira denúncia ser arquivada por falta de provas. Pelo amor de Deus. Acusar a moral, a honra de uma pessoa, é grave, é sério. Tem que ter provas”, disse ele durante conversa com a imprensa no novo Hospital Municipal de Cuiabá (HMC), na última sexta-feira (08).

Há cerca de 10 dias, Adevair Cabral teve o nome envolvido em três denúncias de crime sexuais, as quais ele nega e garante se tratar de perseguição política.

Tudo começou após ele registrar um boletim de ocorrência contra o colega de parlamento, Abílio Júnior, denunciando-o por difamação e calúnia.

Conforme o documento, Abílio estaria mostrando uma foto de Adevair "deitado em uma cama" para outros membros da Câmara Municipal, gerando uma exposição e constrangimento. Entretanto, a foto mencionada no BO estaria relacionada a uma suposta denúncia de assédio sexual.

Entretanto de acordo com Abílio, uma servidora da pasta municipal de Saúde teria o procurado, há um ano, para dizer que estaria sendo assediada por Adevair.

De acordo com o prefeito, a primeira-dama Márcia Pinheiro resolveu adotar medidas austeras para proteger seu marido. Ele revelou que ela o orientou a não receber nenhuma mulher sozinho em seu gabinete.

“Quer dizer que se alguém chegar amanhã e dizer que foi assediada pelo prefeito vai ficar por isso mesmo? Minha esposa ficou tão preocupada com isso que me proibiu de atender mulheres sozinho no meu gabinete. Ela quer uma pessoa junto”, disparou Emanuel Pinheiro.

“Chegou uma mulher, pediu audiência comigo, ela quer um assessor perto de mim. Porque ela tem medo que armem para mim e a pessoa saia dizendo que Emanuel tentou estuprar no gabinete da Prefeitura. Já pensou o estrago?”, disse.

“Ela não quer mais que eu atenda, por medo que armem para mim. Que tentem dizer que o prefeito assediou, tentou estuprar, agarrar”, afirmou.

Para Emanuel, atualmente, os políticos sofrem condenação antecipada.

“As coisas no Brasil precisam voltar à normalidade. As pessoas precisam deixar de serem más. As pessoas precisam ser mais justas, mais corretas, mais equilibradas. Hoje está uma situação esquisita. Qualquer coisa denigre, ainda mais se for político”, completou.


Fonte: hiper noticias
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Redes Sociais