Publicidade:
25 de Marco, 2020 - 14:32
Está maluco e deve ser afastado, afirma Bezerra sobre declarações de Bolsonaro

O deputado federal Carlos Bezera (MDB) avalia que o pronunciamento do presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido), que usou cadeia nacional de rádio e TV na noite dessa terça (24) para falar sobre a pandemia do novo Coronavírus (Covid 19), pode ter deflagrado seu processo de afastamento. O discurso gerou fortes reações na sociedade e na classe política.

Bolsonaro retomou o tom agressivo que parecia ter abandonado recentemente, defendeu reabertura do comércio e das escolas. Além disso, voltou a criticar governadores pelo que chama de política de “terra arrasada”.

“A impressão que passa é que o presidente da República está maluco, fora da realidade. Os congressistas já falam abertamente em afastá-lo do poder, porque ele já não tem condições de governar o país. Essa discussão ganha força cada vez que Bolsonaro se pronuncia e os lideres se articulam. Ontem, com aquele pronunciamento desastroso, o presidente deflagrou seu próprio processo de afastamento”, declarou Bezerra em entrevista ao RDNews.

O emedebista também condenou os ataques de Bolsonaro à imprensa e aos governadores. Segundo Bezerra, nunca o presidente da República usou cadeia nacional de rádio e TV com um discurso tão raso e descolado da realidade.

“A imprensa tem cumprido o papel de informar e as críticas ajudam a sustentar a democracia. Os ataques aos governadores são inaceitáveis. Enquanto Bolsonaro contesta as recomendações dos médicos e cientistas, os governadores tomaram à frente da situação e conduziram o combate a pandemia no país. Se não fosse os governadores, já estaríamos mergulhados no caos”, completou.

Reações

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e o vice-presidente, Antonio Anastasia, divulgaram na noite de terça nota classificando como “graves” as declarações de Bolsonaro.

Já Rodrigo Maia afirmou, por meio das redes sociais, que a fala de Bolsonaro foi equivocada ao atacar a imprensa, os governadores e os especialistas em saúde pública. “Desde o início desta crise venho pedindo sensatez, equilíbrio e união”, afirmou o presidente da Câmara.

O governador Mauro Mendes (DEM) evitou polemizar com Bolsonaro. Mesmo assim, deixou claro que todas as medidas de combate a Covid 19 serão mantidas em Mato Grosso.

“Vamos continuar a restringir o convívio social e a preparar toda a estrutura necessária para atender aos possíveis doentes do coronavírus. Mas, não iremos proibir nenhuma atividade econômica essencial, desde que haja a devida obediência às regras sanitárias”, concluiu.


Fonte: RDNews
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Redes Sociais