Publicidade:
8 de Agosto, 2020 - 18:59
Senador de MT evita pré-julgamento, mas nega corporativismo com filho de Bolsonaro

O senador Jayme Campos (DEM-MT), presidente do Conselho de Ética do Senado, afirmou em entrevista à CNN, na noite desta sexta-feira (7), que soube pela imprensa sobre o parecer da Advocacia-Geral do Senado de que o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) não deve ser processado pelo Conselho de Ética da Casa no caso das “rachadinhas”. Ainda assim, Campos disse que “não irá prevalecer o espírito de corporativismo”.

O parecer de 18 páginas ao qual a CNN teve acesso foi encaminhado na quinta-feira (6) à Secretaria-Geral da Mesa.

Entretanto, falou o senador, é bom que se esclareça que não se pode fazer nenhuma ilação de forma abstrata uma vez que não se tem ainda, de fato, o parecer da Advocacia-Geral do Senado.

“À medida que voltarmos a trabalhar de forma presencial, nós vamos ler o relatório e saber qual encaminhamento será tomado”, falou.

O senador pontuou ainda que, se os elementos apresentados não forem convincentes, ele pode e tem a prerrogativa de divergir. “Todavia, não vou trabalhar nesse caso, agora, apenas com informação que vi na imprensa”, disse.

Questionado se concorda com a tese de que senadores da República não podem ser investigados por fatos anteriores ao mandato, Campos comentou que “não podemos prejulgar ninguém” e que não vê, neste momento, a possibilidade de dar declarações de forma mais clara porque não teve acesso ao parecer da Advocacia-Geral do Senado.


Fonte: Folha max
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Publicidade:
Redes Sociais